To the moon – O poder de um bom conceito

Após uma indicação de um colega aqui no blog, Said Forhat, nos comentários, resolvi dar ao indie game, “To the moon”, uma chance.

to-the-moon-promo
O jogo é um Rpg não tradicional, feito com a famosa engine Rpg Maker Xp. O jogo nos conta a história de Johnny Wyles, que por estar morrendo recebe a visita da Dr. Eva Rosalene e do Dr. Neil Watts, ambos funcionários da  Sigmund Corp, empresa especializada em realizar o último sonho de seus clientes.

screenshot_pc_to_the_moon003
A Sigmund Corp realiza o sonho de seus clientes dentro de suas mentes, resgatando as memórias das motivações para o seu último sonho. O sonho do moribundo Johnny Wyles é o de viajar para a lua com a sua amada River, então somos levados a diversos momentos de sua vida, através de fragmentos de suas memórias.

to-the-moon1
O jogo não possui as clássicas mecânicas de Rpgs, de forma que nesse título não há combates. Podemos explorar os ambientes, conversar com os personagens e coletar itens necessários para a ativação das memórias de Johnny. O jogo tem um foco extremamente forte em sua narrativa e possui uma linda música, além de gráficos 2d muito bem trabalhados, que evocam uma atmosfera artesanal para o jogo.

To-The-Moon-2b
“To the moon” é um título que em sua simplicidade, nos mostra o poder de um bom conceito. O jogo não teve uma grande equipe ou orçamento, tendo sido criado pelo designer Kan Gao com uma engine que muitos não levam a sério, o Rpg Maker, mas no entanto, é um grande jogo, além de altamente premiado.

ttmintro2-4eaeb6d-intro

“To the moon” vai na contramão de toda a tendência da indústria mainstream em investir em gráficos, personagens realistas e grandes orçamentos, apostando as suas fichas em um grande conceito, no caso, uma grande história. E dessa forma, conseguiu ter sucesso. “To the moon” nos ensina que um jogo só pode ser medido por quão boa é a experiência que ele é capaz de proporcionar em seus jogadores, seja quais forem os gêneros, estilos ou orçamentos.

 

Confiram a mais nova rede social para os desenvolvedores e amantes de jogos: http://www.kolksgames.com.br/

Anúncios

Beyond two souls – A dramaturgia nos games

O jogo “Beyond two souls” é a mais recente criação de David Cage e de sua empresta, Quantic Dream.

Beyond-Two-Souls-Promo-Art
O título lembra muito em termos técnicos o seu predecessor, “Heavy rain”. Dessa vez, porém, entramos na história de Jodie Holmes, uma garota que possui uma conexão com uma entidade espiritual, Aiden, e é alvo de estudos científicos pelo pesquisador  Nathan Dawkins. A história nos leva a diversos momento da vida de Jodie, desde a sua infância até a fase adulta, mostrando os conflitos que ela tem que enfrentar por sua condição espiritual, além dos interesses que acaba despertando.

Beyond-Two-Souls-3

A atriz Ellen Page foi escalada para interpretar Jodie, e o ator Willem Dafoe foi escalado para interpretar Nathan. Assim como em “Heavy Rain”, esse título cruza a fronteira entre games e cinema, sendo uma obra de drama interativo. Dessa vez porém, atores consagrados de Hollywood foram escalados para interpretar os personagens, tanto na captura de movimento, como na dublagem e na composição dos personagens.

beyond-two-souls-screenshot-7
“Beyond two souls” dá mais um passo na redefinição atual do que é videogame. Muitos designers tem criado jogos que rompem fronteiras dos conceitos tradicionais do que é um jogo, e “Beyond” o faz ao aproximar ainda mais a arte da dramaturgia com a tecnologia dos videogames. A história contada no jogo é muito interessante, e diferente de um filme, é escolhida e influenciada pelas ações do jogador.

dafoe-600x300
O jogo é certamente um marco, e possivelmente será cada vez maior e mais comum essa sinergia entre games e cinema, com atores renomados emprestando seus talentos e estampando os créditos e capas dos jogos.

 

Confiram a mais nova rede social para os desenvolvedores e amantes de jogos: http://www.kolksgames.com.br/

Broken Age – Crowdfunding

O jogo “Broken Age”, criado pelo legendário designer Tim Schafer, é um adventure point and click moderno.

2126124-169_broken_age_teaser_trailer_032713

O jogo nos apresenta duas histórias paralelas, a de Vella e de Shay. Vella é uma garota de um vilarejo que é uma das escolhidas para ser sacrificada pelo grande monstro Mog Chotra, enquanto que Shay é um garoto que foi criado em uma nave espacial e procura aventuras.

maidensfeast__span
As duas histórias podem ser jogadas e trocadas a todo instante, como histórias paralelas. Podemos a qualquer momento mudar de uma para a outra, independente da fase em que nos encontramos no desenvolvimento de cada respectiva história.

maxresdefault
Em ambas as histórias o jogo apresenta Puzzles simples de serem resolvidos e uma impecável direção de arte. O estilo do jogo dá a impressão de ele ter sido todo desenhado à mão, o que de fato aconteceu. Por ser do gênero Point and Click, o jogo nos permite explorar ambientes, coletar itens e resolver puzzles.

Broken-Age-Screenshot-01

“Broken Age” fez história, pois marca a volta dos adventures point and click, através de uma bem sucedida campanha no site de crowdfunding, Kickstarter. Para os que não conhecem, Crowdfunding se refere a um financiamento coletivo através da internet, aonde colocasse no site os projetos e pede-se um valor para os usuários do site, para que o projeto possa ser financiado. No caso de “Broken Age” o valor pedido foi de U$400 mil, porém Tim Schafer conseguiu arrecadar mais de 3 milhões de dólares em sua campanha.

brokenage-221-610

Após o sucesso de Tim Schafer, teve início uma verdadeira avalanche de projetos de jogos no site Kickstarter, sendo os games atualmente a maior fonte de financiamento do site. Além do jogo foi produzido um documentário pela empresa “2 player productions”, durante esses mais de 2 anos de desenvolvimento do jogo. O documentário foi sendo lançado em forma de episódios mensais nesses 2 anos, de forma que as expectativas e hype desse jogo foram muito altos.

gt_massive_thumb_-Broken-Age_640x360_12-1

Apesar de todo o seu sucesso e experiência, a double fine, empresa de Tim Schafer, acabou estourando o prazo e o orçamento, de forma que dividiram o projeto em 2 atos e “Broken Age” é apenas o primeiro ato. Tendo isso em vista o jogo frustra um pouco as expectativas de quem o esperou, tendo em vista que os seus produtores tiveram um orçamento quase 10 vezes maior do que originalmente pensando, além de mais de 2 anos de desenvolvimento, pacientemente aguardados e alimentados com os episódios do documentário da “2 player production”. Levando isso em consideração, o jogo passa uma sensação de estar incompleto, como de fato está, de forma que o ato 2 só deverá ser lançado no final de 2014, sem custos adicionais para quem já comprou o jogo.

broken-age-vella
O jogo é também muito curto, sendo jogado em aproximadamente 4 horas. Apesar disso tudo, trata-se de um bom jogo com um final interessante, e certamente um marco na história de desenvolvimento de jogos, dando início a era do Crowdfunding.

 

Confiram a mais nova rede social para os desenvolvedores e amantes de jogos: http://www.kolksgames.com.br/

Flappy Bird – A imprevisibilidade do sucesso

O jogo “Flappy Bird”, criado pelo Vietnamita Dong Nguyen, é o maior fenômeno atual no mundo mobile e no cenário indie de jogos.

flappybirds
O jogo é absurdamente simples, aonde controlamos um pequeno pássaro que tem que se esquivar de obstáculos que muito lembram os canos e tubos dos jogos do Super Mario. O pássaro apenas pode dar pequenos pulos, o que torna essa esquiva extremamente difícil, fato que faz com que toquemos o tempo todo na tela dos celulares, tentando uma alta pontuação no jogo.

flappy bird
O que mais surpreende no entanto, no jogo, é o seu sucesso. Tendo sido disponibilizado desde 2013 nas lojas virtuais da Google e da Apple, o jogo passou o ano passado inteiro inexpressivo. E de repente, por algum motivo, começou a fazer sucesso entre janeiro e fevereiro de 2014, tendo tido mais de 50 milhões de downloads, rendendo para o seu desenvolvedor mais de 50 mil dólares por dia em propagandas, segundo noticiado em diversos canais. O criador do jogo falou ter gasto apenas 3 dias no desenvolvimento do jogo, o que não é de se estranhar dada a sua simplicidade.

Unbenannt1390839683069
Outro fato bizarro envolvendo o jogo é que, apesar de seu enorme sucesso, seu criador alegou estar se sentindo muito pressionado por este sucesso, e com isso retirou o jogo das lojas, abdicando de grandes somas de dinheiro. O jogo “Flappy Bird” nos mostra o quão imprevisível é o mercado de games digitais, mostrando que realmente não há receitas para o sucesso. Infelizmente, mesmo tendo conseguido acertar nessa alquimia, o seu criador retirou o jogo das lojas.

 

Confiram a mais nova rede social para os desenvolvedores e amantes de jogos: http://www.kolksgames.com.br/

Papo & Yo – Jogos emocionais

O jogo “Papo & Yo”, do designer Vander Caballero se tornou um grande sucesso na PSN, e posteriormente no mercado de pcs.

PaPo-Yo-5
O jogo nos coloca no controle e na história de Quico, um garoto que se encontra ambientado em uma favela brasileira, junto com um grande ser chamado de “Monstro”.

2295407-highres_screenshot_00001

O jogo é todo baseado em Puzzles disponibilizados nesses cenários, aonde podemos correr, pular, alimentar o monstro, além de fugir dele. Contamos também com um pequeno robozinho acoplado nas costas de quico, que permite fazer pequenos vôos. Diversos Puzzles são construídos, e nenhum apresenta uma dificuldade muito alta, pois o objetivo do jogo não é o de criar desafios necessariamente, mas sim o de contar a história pessoal de Vander através da metáfora do monstro e de Quico.

2295409-monster_fruit
Vander possuía em sua infância um pai alcoólatra, que tornou a sua vida e de seus familiares muito difícil. A metáfora vai sendo construída ao longo de todo o jogo e é apenas completamente compreendida no final, em um dos momentos mais apoteóticos do jogo, que possivelmente lhe garante um lugar no hall das grandes experiências de jogos de todos os tempos.

Highres_Screenshot_00002
“Papo & Yo” é um exemplar de uma nova safra de jogos, cujos designers estão colocando as emoções como principal elemento de design. Vander Caballero disse que não aguentaria fazer outro shooter, e os seus pensamentos vão de encontro com os pensamentos de outros designers, como David Cage e Jenova Chen, que defendem que a mídia dos jogos deve amadurecer.

2295413-papoyo_newmonsterangry
“Papo e Yo” é um desses jogos independente com orçamento milionário, formado por veteranos da indústria dispostos a fazer algo diferente. Certamente eles conseguiram colocar a emoção como elemento central da experiência, porém falar algo mais seria estragar a experiência de quem for jogar. O jogo é sinal dos novos tempos dos games, em que depois das evoluções tecnológicas, os conceitos (game designs) é que estão evoluindo e amadurecendo, atendendo a demandas de um público que se sofistica e procura uma maior gama e leque de emoções e experiências.

 

Confiram a mais nova rede social para os desenvolvedores e amantes de jogos: http://www.kolksgames.com.br/